Deus e o Mal – Respostas para Wallace nº 01

Um dos meus leitores mais participativos, o sr. Wallace, reclamou por eu não ter respondido de modo apropriado suas indagações. Todos os seus questionamentos podem ser vistos clicando aqui.

Mas, como havia lhe afirmado, na medida do possível tentarei esclarecer, de acordo com o meu ponto de vista, as indagações que foram feitas.

Separei em posts diferentes por ser inviável responder questões mais complexas sem o devido cuidado. Por isso todas as minhas respostas para essa questão virão dentro desta série de posts: “Respostas para Wallace”.

A primeira será acerca da relação entre Deus e a origem do Mal. Para contextualizar, começarei reproduzindo o comentário do Wallace, logo em seguida farei minhas considerações:

“Muito obrigado, Sr. Alcir, pelo espaço.
Há algum tempo vem fermentando em minha mento o absurdo que é a idéia de oniexistência, onipresença e/ou oniciência. Isso abre o maior buraco na teoria cristã sobre uma divindade, nesse caso “a” divindade, que é a origem de tudo (é a velha história de que a bíblia se contradiz). Deus é a origem de tudo e a “tudo” está circunscrito o MAL. Na verdade o mal é uma idaia sociopata criada pelo ser humano pra definir um complexo de comportamentos e em que a sociedade abomina a atitude do outro por essa ser danosa ao coletivo. Farei um parêntese logo abaixo. Aqui eu, que ja debati com outros criacionistas ou mesmo religiosos – sem que me dessem resposta -, já lancei o princípio do deus mau. Pela lógica esse deus dono e criador de tudo seria também a origem e criador do mal, pois tudo vem dele ou foi criado por ele. Ele chega ser mal ao ponto de além de negligenciar a criação do mal nada fez para o “descriá-lo”. Ora, o cara é o “onipotente” e não se dá ao trabalho de eliminar essa erva daninha! Que cara displiscente!
O livro do gênesis conta a estória da criação de toda a humnidade. Entre pérolas como “.. e deus soprou nas narinas (de um boneco de barro) o sopro da vida” e “deus fez Adão adormecer e arrancou-lhe uma costela e dela fez a mulher” o cara coloca uma fruta num pomar e espera que os jovenssíssimos habitantes desprovidos de qualquer experiência ou percepção de maldade não prove a fruta e após isso o condena (e toda a humanidade por consequência da “hereditariedade do mal”) a ser expulso do paraíso e a perecer em velhice. Acredito ser muito mais bondoso que essa divindade absolutista (todas são por se basearem no poder máximo da época que eram os imperadores, reis e afins), pois se minha filhinha comer qualquer comida da minha geladeira ou mesmo destruir um aparelho meu eu não a condenarei à morte. Sou melhor que deus! Estranha essa constatação, não?

O problema de entendimento da questão é tão somente o reducionismo da nossa conceituação de quem é Deus, sua natureza e objetivo da criação. Para respondermos a isso, o primeiro passo seria pensar: “Por que Deus criou o Universo?”.  Será que Deus precisava de algo?  Qual o objetivo de Deus na Criação?

O fato é que Deus não precisa, nunca precisou, e nem precisará de nada. Ele é auto-existente e auto-suficiente. Ele é absolutamente completo em si mesmo. Logo, o ato da criação não se deu por alguma necessidade de Deus. Se deu por causa da Sua essência.

Deus é amor. Esse amor eterno, pré-existente, movimentando-se dinamicamente em si mesmo por sua natureza Trina, do amor entre o Pai, o Filho e o Santo Espírito, é perfeitamente satisfeito em Si.  E sendo da natureza do amor expandir-se, a criação se dá como a manifestação do profundo amor de Deus, derramado em um ato criativo perfeitamente harmonioso e belo.  Toda a Criação, posso afirmar liricamente, canta louvores a Deus. Se olhares para a beleza, perfeição, simetria, harmonia, melodia do universo, perceberá que se trata de uma sinfonia composta e executada  por Ele.

Dentro desta criação existe um ser que foi feito com atributos compartilhados do próprio Deus: o amor, a moral, a intelecção, o raciocínio elevado, a capacidade de abstração, enfim um ser único. Na linguagem bíblica, um ser a imagem e semelhança Dele.

Veja bem, o ato de amar pressupõe liberdade. Não existe amor compulsório. Você pode pagar pelo sexo, não pelo amor. Digamos, apenas como força de expressão, que Deus tivesse que fazer uma opção – ou ele criaria um mundo de seres autômatos (robôs, desprovidos da capacidade de amar) ; ou então criaria um ser com a capacidade única de amar, de amá-Lo, e com a liberdade para rejeitá-Lo, pois o amor pressupõe também esse risco.  Ele considerou que valia a pena o risco. Muito obrigado, Senhor, pela liberdade de amar-Te.

Deus não criou o mal, mas a possibilidade do mal.  Essa possibilidade é a nossa própria liberdade. E a nossa liberdade é a única forma de haver amor.

Mas, Deus sabia que isso iria acontecer?

Claro. Ele é Onisciente. Tanto que a Bíblia apresenta Cristo como o Cordeiro imolado antes da fundação do mundo.

Mas, se Deus sabia, isso não tiraria a responsabilidade do homem sobre o seu ato?

Não. O fato de que Deus sabia não tira a responsabilidade. Isso é um pensamento também reducionista de quem não consegue perceber que a estrutura espaço-tempo, com sua linha sequencial passado-presente-futuro é algo circunscrito ao Universo físico, à Criação. E Deus se situa além da Criação. O cristianismo não é uma religião panteísta.

Por que Deus, então, simplesmente não elimina de uma vez o mal do mundo?

1) Não seria um ato de amor. Se o objetivo da criação é o relacionamento pleno e satisfatório em amor entre a humanidade e Deus, como isso poderia ser atingido se, sempre que através dos nossos atos de rebeldia nós pecássemos e o mal viesse, e Ele “reiniciasse” tudo? Não haveria o pleno e satisfatório amor. Não estaríamos voltados de fato, em amor, a Ele.

2) Deus não quebra as regras que Ele mesmo fez. Se o fizesse, não seria Onisciente. Esses remendos seriam a prova de sua incapacidade como Deus.

3) Quem disse que Deus não está eliminando o mal do mundo? Cristo Jesus é o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo. Em Cristo está a remissão e a redenção final de todas as coisas. Mas Ele o faz levando-nos em seus braços ao Pai, transformando-nos e possibilitando que sejamos amados de Deus, e que possamos também amá-lo. Nós precisamos depor as armas, nos render, e deixar de lutarmos contra Ele.

Talvez esse não fosse método que você utilizasse. Mas você não é Deus. Ele É.

A doutrina da Queda não é desproporcional?

Não. Por dois motivos:

a) A gravidade da ofensa varia de acordo com o objeto da ofensa.

Imagine o seguinte exemplo:

Ato:

Agressão

Objeto do agravo:

Situação A – uma barata;

Situação B – um bebê recém nascido.

Você consegue perceber a diferença? O ATO pode ter sido o mesmo, mas se mudarmos o objeto, muda completamente de figura.

Agora, se o objeto do agravo for um ser infinitamente belo, infinitamente amoroso, infinitamente bondoso, que te fez, que cada vez que você respira isso só é possível por que ele te dá o fôlego de vida, que é infinitamente magnifico em beleza e santidade, qual seria a gravidade do agravo? Pois é. Isso mesmo que você pensou.

b) A consequência do pecado não é um ato punitivo de Deus. É a consequência. Se em um inverno rigoroso, com a temperatura na casa dos zero graus, você se afastar da lareira, começará a sentir frio. Isso não é um ato punitivo da lareira.

De igual forma, se você se afastar da fonte e origem da vida, começará a morrer. Simples assim. Por isso que o salário do pecado é a morte. Todo pecado é uma ato contra Deus, a ao fazê-lo, você se afasta dele. Ao se afastar, morre.

Por isso também que a salvação em Cristo Jesus é a vida eterna. Ao se aproximar em amor do Autor da Vida, qual seria a consequência, se não a vida?

Mas e a maçã, e coisa e tal?

A ideia de que a Queda se deu por causa de que Adão comeu a maçã da Eva é apenas demonstração clara de ignorância acerca dos textos que se está lendo.  Infelizmente, essas ideias e erros são grandemente disseminados por pessoas que ou não entendem o que estão lendo, ou fazem papel de bobo para tentar enganar os mais bobos ainda.

Não se pode ler as Escrituras como que lê uma HQ. Trata-se de um livro para adultos.  E espera-se que seja lido e interpretado hermeneuticamente como tal.

Na Paz.


9 thoughts on “Deus e o Mal – Respostas para Wallace nº 01

  1. há algum tempo eu via um video que também fala sobre isso… O frio é a ausência do calor …A escuridão é apenas ausência de luz …O mal é a ausência de Deus …

  2. Sr. Alcir! Desejo-te saúde!

    Peço licença ao adentrar mais uma vez em teus domínios. E peço desculpas por ter declarado que minha participação estava findada em seu blog. Mas não posso me negar a um convite desses que se encontra no título da página, nem ao prazer da peleja filosófica. É, pois, de questionamentos que se faz o progresso e a ciência, e não de respostas (parafraseando a vinheta do canal Futura). De respostas vivíamos entre os séculos II e o XVI, período ao qual os livros de história chamam de Idade das Trevas, ironicamente época no qual não se podia questionar os dons de Deus, sob pena de morte e/ou tortura das mais desumanas. Ficamos aprisionados em séculos de atraso científico — ao que parece que quanto mais distante de Deus, mais próximo do avanço científico, e da paz. Mas isso era no ocidente, pois o império Chinês ia de vento em popa, com sua ciência, cultura, medicina e tecnologia se desenvolvendo, assim como no Oriente Médio, de onde surgiu a matemática como a conhecemos, também nas Américas as técnicas de agricultura estavam muito avançadas. Vejam que curioso: no mundo devem existir milhões de livros, dos quais alguns milhares devem ter algum valor prático, científico. Mas a bíblia clama pra si a concentração de toda a verdade acerca de tudo em todos os tempos (verdade essa que não cita a existência de animais colossais; é que a bíblia foi escrita antes da descoberta dos fósseis). Ora, o conhecimento muda a partir de novas descobertas e, tenho certeza, que o senhor Alcir não estaria tentando encaixar os conceitos do continuum espaço-tempo na doutrina cristã se essa discussão estivesse ocorrendo, digamos, há uns 100 anos atrás. Alias, não seria por meio de blog, já que “deus” só criou a internet depois dos anos 70 da nossa era moderna. Ué, mas nessa época acreditava-se que Deus mandava chover, e não as circunstâncias climáticas. Não vale dizer que não se lembra que seu deus mandou o sol e a lua pararem para que não anoitecesse, nos eventos heroico/brutais de Jericó*, no qual Deus manda seu povo invadir, pilhar e matar na terra dos outros (Josué 10: 12); Deus mandou chover 40 dias e 40 noites, matando toda a humanidade (!) e animais (não aquáticos), durante o dilúvio; secou as águas do Mar Vermelho, etc.).
    *estranhamente, como em muitas partes da bíblia, não existem provas arqueológicas da existência da fortaleza de Jericó.
    Bem, vejo que aqui, neste post, o campo de confrontos ideológicos é diferente. Aqui podemos usar partes da bíblia para contradizê-la, usando a lógica e a filosofia que o senhor mesmo preconiza, não é? O senhor mesmo fez citações bíblicas acima, não foi? Pois vamos.

    1) “Deus não criou o mal, mas a possibilidade do mal.” — aqui, companheiros, vou ter que concordar com o Sr. Alcir: Einstein, não pode ser culpado pelo que ocorreu a Hiroshima e Nagasaki; os chineses que descobriram a pólvora não podem ser culpados pelos crimes que ocorrem todos os dias com armas de fogo. Mas (e agora vou ter que te derruba-lo do cavalo, Sr. Alcir), e se Einstein e os chineses não fossem tão inteligentes? Certamente os níveis de criminalidade, ou a violência deles diminuiria brutalmente. E Deus? Ele sabia de tudo isso, poderia ter impedido, mas se diverte com o videogame em que somos os personagens e podemos perder nossas vidas. Deus não é mau, ele apenas se diverte. Além do mais, sua explicações acerca da origem do mal ficam presas às doutrinas da bíblia, pois quando se vai para o domínio da lógica, elas se esvaem. Veja: o senhor usa a lógica para afirmar, no outro post, que o Big Bang só pode ter “se originado” de um deus que o deflagrou. E quem origina Deus? Vai mudar a regra do jogo durante a partida? Quer dizer que, na lógica, o Universo tem origem, mas seu deus não? Só na bíblia mesmo! Não se contradiga! Aliás Deus tem sim uma origem, um pai: seu nome é El. E o mais absurdo para os cristão: Jeová era irmão de Baal. Vide matéria da Superinteressante: Deus: uma biografia, NOV 2010, Ed. Abril. Pode ser visto de graça no site da Super. Quero ainda escrever um post sobre essa matéria reveladora.
    2) “Talvez esse não fosse método que você utilizasse. Mas você não é Deus. Ele É” — aqui o Sr. Alcir se refere a quando digo que sou melhor que esse deus, pois não mataria minha filha, ainda que ela pusesse fogo em minha casa, ao passo que Deus condenou toda a humanidade a perecer e morrer depois de sairmos do Éden. E escreve isso nesse mesmo post em que senhor fala do simplismo das afirmações dos outros, e vem com esse: “Ele é!” Isso sim é simplismo! Parece-me que isso explica quase todos os absurdos escritos na bíblia. E sim, ainda acho que sou melhor que Deus (pelo menos nesse quesito, pois não tenho a menor condição de cuidar de toda a humanidade como ele faz —apenas dou conta de minha filhinha — embora ele cuide do povo de modo desleixado e sarcástico).
    3) “A consequência do pecado não é um ato punitivo de Deus…” — vai cair do cavalo novamente Sr. Alcir! Veja esta tua afirmação confrontada com o que há bem no início da bíblia: “O SENHOR Deus, por isso, o lançou fora do jardim do Éden, a fim de lavrar a terra de que fora tomado. E, expulso o homem, colocou querubins ao oriente do jardim do Éden…” — Genesis 2:23-24. Não lhe parece punição arbitrária? Parece-me! Se Deus tivesse deixado pra lá, uma frutinha, vai, estaríamos hoje vivendo num imenso paraíso (com aproximadamente 100 bilhões de vizinhos que nunca morreriam!).
    4) “… for um ser infinitamente belo, infinitamente amoroso, infinitamente bondoso,” — Preciso lembrar todas as atrocidades que seu deus faz e que estão relatadas na bíblia? Tá, então vejamos:
    • E o SENHOR os conturbou diante de Israel, e os feriu com grande matança em Gibeom — Josué 10:10 — em consequência da tomada de Jericó;
    • … aos quais disse: Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel: Cada um cinja a espada sobre o lado, passai e tornai a passar pelo arraial de porta em porta, e mate cada um a seu irmão, cada um, a seu amigo, e cada um, a seu vizinho. E fizeram os filhos de Levi segundo a palavra de Moisés; e caíram do povo, naquele dia, uns três mil homens. — Êxodos 32:26-27 — em punição à fundição e adoração ao Bezerro de Ouro.
    Chega de matança!
    Na verdade a bíblia, por mais absurdo que nos pareça, é um compêndio de livros altamente violento e cheio de atrocidades — diga-se de passagem, executadas por Deus! Comparada com o Corão? O livro sagrado dos mulçumanos é um livrinho infantil, com todo o respeito. O que deve explicar por que os religiosos de uma crença são mais violentos que de outra deve ser a cultura, história, situação social em relação a outras nações, etc. Assim, judeus são menos violentos que mulçumanos, cristãos menos que os judeus, budista são as comunidades mais pacíficas dentre os religiosos, e por aí vai. E isso não é absoluto, eu estou apenas citando tendências de comportamento dentre os extremistas.

    Não usei o Novo Testamento, só por praticidade. Lá há também eventos fabulosos de como o mundo vai acabar, previsões de Apocalipse. Bem, nada daquilo aconteceu ainda e estou ansioso a esperar.
    Tenho tanto a escrever, mas tão pouco espaço! Nunca dissertei tanto! Muito obrigado pelo espaço e consideração, Sr. Alcir!
    Durante a argumentação tive de colocar sua citações. Elas não estão fora de contexto, pois encontram-se no texto imediatamente superior. É uma consequência inevitável: aquilo que escrevemos pode ser contrargumentado (inclusive publicamente), o que, às vezes, nos faz parecer ridículo. Mas é assim mesmo: muitos advogados apresentam-se ridículos. Eles inventam muita coisa para defender seus clientes.
    Desculpem os Ctrl+C, Ctrl+V. Faz parte da argumentaão.
    Sem ofensas. Com já disse, tenho parentes e amigos religiosos, incluindo minha mãe, e dou-me bem com todos. Os argumentos é que são insustentáveis.

    • Wallace, é bom vê-lo de volta por aqui. 🙂 Sabia que não ia resistir rsrsrsrs

      Sempre deixei muito claro o meu posicionamento – sou cristão protestante. Por isso, no fim das contas, apenas explico do meu jeito as verdades que percebo.

      Esta é um ponto em questão: a Verdade permanece, mas as ilustrações que usarei para explicitá-la é que mudarão. Sobre a bíblia propriamente dita, comentarei em um post só sobre esse assunto.

      Na sua contra-argumentação 1, penso que o próprio post reponde a questão.
      Deus se diverte com o mau? Não sei de onde você tirou essa ideia. Vide Cristo Jesus.

      Quem origina Deus? É, perdoe-me, mas é a pergunta mais sem sentido de todas. Você pode não acreditar que Deus exite, mas se for considerar a possibilidade da existência de Deus, terá que considerar os axiomas básicos. Se algo ou alguém originasse Deus, Deus não seria Deus, e sim aquele que o originou, entrando em uma espiral sem fim de perguntas infundadas. Sendo Ele a origem, obviamente ele é a causa, não a consequência.

      A afirmação que Deus tem pai e é irmão de Baal, pode ser objeto de fé de quem quiser. Mas é, sob o ponto de vista cristão, tão absurdo que nem merece maiores comentários.

      Na contra-argumentação 2 , O Ele é é uma forma simplificada de explicar sobre a Soberania de Deus. Sendo Deus, Deus, não teria Ele direito e poder de decidir como Ele que fazer as coisas? Se a decisão fosse de qualquer outro, Deus não seria Deus.

      Na contra-argumentação 3 e 4, a sua dificuldade está na leitura. Gênesis de 01 a 12 tem uma linguagem poética, onde verdades absolutas são descritas com uma linguagem não necessariamente literal. Por exemplo, não penso que Deus criou o mundo em 07 dias literais, mas através de eras, os estágios da criação. Não penso que a terra tenha 6 mil anos de idade. A Bíblia trata sobre a História da Redenção do homem. Este é o seu assunto. Por isso afirmei anteriormente que a bíblia não é uma HQ. É um livro para adultos.

      Não é fácil a sua compreensão, e nem deveria ser.

      E por fim, fica uma dica. A Ira de Deus. Não abordei esse assunto neste post para não sair do assunto. Mas, se Deus ainda não cobrou a conta do pecado e da maldade é por causa da sua Misericórdia. Acho massa pessoas que querem ver uma ação direta de Deus e não sabem o que pedem. Se o Senhor, nesse momento, quisesse acabar com a maldade em um único ato Soberano, o que você acha que iria acontecer contigo? Esse discurso de que tu é melhor que Deus fatalmente seria transformado em pânico perante o Poder, Glória e Majestade Dele. Nossos pretensos atos de justiça, reputados por Ele como trapos de imundície, cairão perante Aquele que é Santo.

      Se Ele ainda não cobrou a sua dívida, agradeça à Ele por sua misericórdia.

      Na Paz.

      • O Ministérios das Forças Armadas adverte: adorar bezerros de ouro causa genocídio.
        Comecemos assim, de forma irreverente o delicioso 2012, que guarda grandes manifestações de cunho supersticioso e religioso, com grandes previsões de suicídios em massas, pessoas cometendo loucuras e todos os sortilégios que estejam nas interpretações dos pergaminhos “sagrados”.
        Dei uma pausa natalina, pois achei interessante não falar mal de uma pessoa que é lembrada por tanta gente. Gosto da festa, da atmosfera, das cores, das luzes (não nevava à época descrita na bíblia em que Yeshua foi crucificado, né?). Mas ele nasceu em Belém, Nazaré ou na Galileia? Foi mesmo no 25 de dezembro? Haviam três reis magos predizendo seu local de nascimento com tamanha precisão? Aliás, eu gostaria de saber se o tipo de magias que ele praticavam ela aceita por deus nessa época. Será mesmo que houve algum genocídio de crianças para que o menino Jesus fosse morto? Nenhum documento romano atesta esse fato mítico, nenhum dos censos feitos à época
        Eis que as peles de carneiro tornaram-se no livro mais vendido de todos os tempos. E parece que as pessoas não são conscientes dessa origem, no mínimo duvidosa. Eu respeito os gibis e seus escritores, mas não sigo religião baseada nos heróis americanos. Eu queria que as pessoas tivessem consciência de que, da mesma forma que a religião grega virou mitologia grega, que o folclore brasileiro (saci, currupira, ondina, mula-sem-cabeça, etc.) é mitologia brasileira, que essas pessoas entendessem que tudo no universo bíblico se trata também de mitologia (no caso da bíblia, mitologia judaica). Vamos pegar esse gancho de mitologia:
        Nos livros Mateus 11:23, Lucas 10:15 (copia do anterior), Apocalipse 6:8 e Atos dos Apóstolos 2:27 há a referência a Hades. Em trechos como “prevendo isto, Davi falou da ressurreição de Cristo, que a sua alma não foi deixada no hades, nem a sua carne viu a corrupção.” — Atos 2:31 — os copistas da bíblia (digo, dos pergaminhos) cometeram uma gafe. Eles importaram uma divindade da cultura, religião (na época) e mitologia gregas. O Hades é a personificação do submundo, das trevas, do inferno. Os gregos são um pouco confusos na definição de Hades: ora é lugar, ora é deus, ora é o inferno comum, ora é o submundo exclusivo dos deuses olímpicos e dos titãs (não a banda). Então, seja deus, seja local, pertence aos gregos e aí aparece a questão: se a religião grega é hoje tratada como mitologia, e Hades, aparecendo em vários trechos da bíblia, então não seria também a bíblia um compêndio mitológico? Não é difícil enxergar a influência da cultura grega em várias civilizações. Não seria diferente com os contemporâneos judeus/israelitas. O cristão agora tem que decidir: ou a bíblia é mitologia, ou a mitologia grega é religião e Zeus o nosso senhor e criador (também).
        Quando o sr. Alcir diz que a bíblia é livro adulto e não um HQ tem toda a razão. Eu não deixarei minha filha ter conhecimento da bíblia antes dos 21 anos, pois tem muita violência nele. Além de incesto, sexo e falta de rock na roll. Na contra-contra-argumentação 1, coitado, permaneceu preso à poderosíssima força gravitacional do planeta bíblia, mundo do qual só se sai utilizando poderosos propulsores desenvolvidos pela ciência e pela lógica. Ainda tentou usar o ponto de vista cristão pra contra-argumentar fé. Hã!? Ah tá, a bíblia faz isso o tempo todo ao se autoproclamar fonte de toda a verdade, e que só existe um deus, o Jeová, não o Javé, não o Yaveh, não o outro, o Jesus, não, o Yeshua, não pô o Espírito Santo. Ah não, deve ser Santa Catariana! Aliás, deve ser o espirito santo mesmo, que desce como uma pomba (branca, sem pintas, como gosta o Hitler), mas antes cagando na cabeça dos outros.
        O sr. Alcir diz que acredita numa opção “metafórica” à interpretação dos texto bíblicos no Genesis. Já eu acredito na interpretação da bíblia como um todo alegórico (um carnaval de metáforas). O sr. também diz que Baal e El sã objeto de crença particular. Mas que o sejam da mesma forma que todo o resto da bíblia, já que são elementos da mesma cultura. O fato de terem sidos esquecidos faz parte da apoteose mítica dos papiros bíblicos, e também (e mais importante) por política, já que livros teriam sido rejeitado por serem considerados “heréticos” pela Igreja Católica. Hã!? Textos sagrados heréticos? Quem determina isso? Ah, a Igreja Católica, a mesma que diz que usar camisinha é heresia (pedofilia é crime, mas não entregam os criminosos à justiça ou mudam seus dogmas). Mas o sr. Alcir vai argumentar que não é católico, ao que eu argumento que sua bíblia não possui os textos de Filipe, Tomé, Pedro, Madalena e o mais importante, de Judas, pelos mesmos motivos acima — determinação católica e evolução da mitologia judaica. Foram julgados “inapropriados” para a doutrina cristã, pois neles encontram-se ideias do gnosticismo (em que o homem pode encontrar a paz em si mesmo sem precisar de deus ou religião) e citações sobre uma relação de Jesus com Madalena (amorosa mesmo). Então novamente os cristão têm que decidir: deve-se acreditar em todos os manuscritos, apócrifos ou não, ou não acreditar em nada na bíblia, já que ela foi emendada, recortada (e colada), modificada, enfim editada.
        O sr. Alcir tenta em vão validar sua fé (e a de outras milhões de pessoas que têm visões individuais e divergetes de fé) com argumentos lógicos. Em vão. Admiro sua retórica, mas é inválida no mundo real, onde existe a eletricidade, os pixels, os bits, os fósseis de dinos, a medicina que cura e não deus algum, enfim, nosso mundo moderno que é repelente ao mitológico teológico que habita apenas nas mentes dos fieis. Se o senhor Alcir disser que toda essa inconsistência bíblica é assim por que deus quis, que ele vai continuar acreditando nisso porque tem fé, eu me retiro do blog e vou respeitar a fé dos outros, como sempre faço. Mas se ele insistir em tentar argumentar usando de uma logica que só existe na bíblia e nos cursos de teologia que formam pastores e padres, aí vou lhe dar uma dor de cabeça, pois eis que aparecerei a trazer a luz da lógica, da ciência e da argumentação histórica/paleontológica/antropológica. Aliás, se ele insistir nessa coisa de usar a lógica pra amparar os fundamentos infundados da bíblia, estará incorrendo em pecado mortal, pois:
        “Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, E aniquilarei a inteligência dos inteligentes.” — 1 Coríntios 1:19
        E
        “Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; pois está escrito: Ele apanha os sábios na sua própria astúcia.” — 1 Coríntios 3:19
        Parece que deus apanha sozinho mesmo em sua próprias contradições.

        Não desobedeça tua própria crença e não tentes mais explicar o inexplicável!

        • Wallace,

          1 – As observações iniciais são tão descabidas que nem dá pra levar em consideração.

          2 – Anacronismo é prova de ignorância história, ignorância geopolítica e ignorância filosófica.

          3 – Para que possa tentar te explicar alguma coisa, tu precisarias de uma base mínima teológica que não tens. Logo, eu teria que refurtar frase por frase, e não tenho tempo pra isso. Nem vontade.

          Mas, só pra ilustrar o tamanho da tua falta de conteúdo, vou apenas citar, sem explicar:
          a)Jesus não nasceu dia 25 de Dezembro
          b)Natal não tem nada a ver com crucificação
          c)O termo “magos” se refere a sábios, estudiosos
          d)Leia “A História dos Judeus” do historiador judeu contemporâneo de Cristo, Flavio Josefo para ter noção da época
          e)O termo Hades se encontra no Novo Testamento por ele ter sido escrito quese todo em grego. Equivale ao termo hebraico Sheol
          f)Textos apócrifos não fazem parte do corpo doutrinário cristão. Se tu quiseres aceitá-los como textos sagrados o problema é seu, mas não podes obrigar os cristãos aceitá-los.
          g)Existem inúmeras regras para o canon escrituristico. Por isso que se levou cerce de 400 anos de história da igreja para fechá-lo. Talvez tu aches que a tua opinião bastaria, mas infelizmente não tens envergadura nem para a participação em um concílio de verdade.
          h)Conciliar fé e razão é uma discussão datada. Vide a Escolástica e Agostinho de Hipona. Tu estás uns 1500 anos atrasado nesse assunto.
          i)Utilização de versículos isolados é prova de desconhecimento de hermeneutica.

          4 – Uma coisa é interagir, outra coisa é tentar encher a paciencia com verborragia infrutífera.

          5 – Até hoje, só bloquei comentários comprovadamente SPAM. Mas estou seriamente inclinado e rever este procedimento. Se posso dar uma dica, publique num blog seu todo este seu conteúdo. Tenho certeza que vai ter uma grande aceitação em determinado segmento. Existem várias pessoas doidas para aprender novas bobagens para sair repetindo ao por aí.

          att.

          • Agora você chegou onde eu queria: irritado e sem argumento científico, só doutrinário.
            Demorou anos para responder e não respondeu. Usou apenas retórica própria e teológica, isto é, não científica, como você mesmo deixa claro no item 3.
            Ou seja, fim de papo. Sua argumentação sempre foi religiosa, mas tentou fingir que estava fazendo ciência.
            No item e você começou um argumento e o deixou no ar, o que na verdade acabou por confirmar minha posição: á claro que essa parte foi escrita em grago, e obviamente absorveu a mitologia do anfitrião. E não deixa de ser referenciado como parte da mitologia grega na própria bíblia. Orá, se você considera que toda a bíblia é verdadeira (fato controverso, se a gente lembrar “não penso que Deus criou o mundo em 07 dias literais” — ou é ou não é, decida-se), deverá considerar o Hades e toda a mitologia grega como verdadeira, infelizmente repetindo o que já disse (o que prova que o argumento é consistente!)
            O seu item f é hilário! Explico: há 1500 anos atrás religiosos cheios do deus cristão penduravam cabeças de pessoas que diziam que a Terra é redonda e que não é o centro do universo. Estou tão atrasado assim? Além do mais se não acredito em santidade ou divindade, como pode qualquer que seja um texto ser sagrados para mim? Mas pra você matança, matança, incesto, pilhagem, invasão e todo o tipo de tirania divina são sim sagrados. Isso pra um livro que começa com dois irmão se matando, e termina com toda a humanidade aniquilada (e por Deus! — cheio de amor, hein?).
            Aquela tua ameaça apocalíptica, de que vou morrer por blasfemar, tira o sono dos crentes, não dos inteligentes.
            Olha, se é pra fazer ciência faça o seguinte experimento: pegue um animal morto há mais de 3 meses (só pra garantir que deus é bão mesmo); junte você e mais uns 70 pastores e comecem a rezar, orar, fazer vigília, jejum e o diabo a quatro (ah isso não, senão vai desandar); se ele acordar, você manda o vídeo intitulado “ressureição à moda de cristo”. Aliás com ele era diferente: era por mágica, né?

            P.S.: Se você não acredita em versículos isolados deveria encerrar este blog e deixar de ser religioso: qualquer pastor, ou melhor, todo e qualquer pastor ou padre prega usando versículos isolados, no máximo relaciona-os com outros que os repetem, dando a entender que se corroboram.

        • Pois é, Israel.

          Mas eu não consigo evitar de tentar ajudar quando as pessoas estão com dúvidas a cerca do Cristianismo.

          Só não dá pra aguentar quando “os cabra” não querem entender, só ficar enchendo a paciência.

          Abração.

  3. Walace,

    Finalmente concordamos em algo – você realmente me deixou irritado.

    Tanto que só estou me dando ao trabalho de responder isso para evidenciar o tamanho da baboseira que tu colocas.

    1 – Em que momento afirmei que meu argumento era científico. Em um outro post eu demonstro que aquilo que alguns julgam ser ciencia é besteira, não se sustenta. Como você perguntou a minha visão sobre os fatos, te respondi. E só.

    2 – Tu me acusas de não ter te respondido. Como assim? Talvez por falta de bagagem cultural tu não tenhas entendido a resposta, nem os fundamentos por trás de uma frase que postulei como citação. Se não sabes a que me refiro, pesquise.

    3 – O fato de um texto ser escrito em determinado idioma não significa que ele absorveu a mitologia local. Isso é ignorância. Tá forçando a barra para tentar sustentar uma idiotice que tu disseste. O teu pressuposto nao se sustenta pela linguistica, história, filosofia, teologia. É somente uma afirmação vazia, como de costume.

    4 – Penso que a falta de leitura, qualquer tipo de leitura, faz com que as pessoas tenham grandes dificuldades de intepretação de textos. Tu entendes o que lês?

    Onde foi que eu ameacei alguém neste blog de que a pessoa vai morrer por blasfemar???? Putz. Me dá até dor nos olhos ler uma abobrinha dessa.

    Repito: livros apócrifos não fazem parte do corpo doutrinário cristão. Isso é um direito que nos assiste. Tu começou a citar livros apócrifos, requerendo a eles um peso escriturístico semelhante aos canonicos. Mas não cabe a ti decidir isso. Principalmente após definir sua posição que não considera nenhum livro sacro.

    Acho até engraçado: o cabra que não crê em livro algum, se acha no direito de escolher no que o outro de ve crer, de acordo com sua opinião pessoal infundada. Tenha santa paciência.

    5 – Se tu tivesse a menor noção de hermeneutica, saberia que NUNCA nenhum versículo deve ou pode ser considerado isoladamente. Tu insiste nesta aporrinhação por inteira ignorancia da tua parte.

    No mínimo, eles devem ser lidos levando-se em conta os contextos textuais (autor, destinatário, intenção comunicativa), históricos, tipológicos, sociais, e sua posição dentro da visão ampla sobre a Bíblia.

    O problema é que pessoas como você, cujo nível de entendimento escriturísctico é NULO se acha com condições de citar aleatoriamente versículos achando que sabe do que tá falando. E ainda acha que essa é a forma certa. #PELAMORDEDEUS.

    Uma expressão que gosto muito de usar em casos como este ´”ouviu o galo cantar e não sabe onde”. Walace, vai estudar, antes de fazer papelão. #VergonhaAlheiaFeelings

    6 – A tua “proposta de experimento” é mais uma prova da tua completa ignorância acerca de tudo sobre Deus e o Cristianismo. Se a sua intenção era esta, provar definitivamente que tu és completa e absurdamente ignorante a esse respeito, conseguiste.

    Só citando, novamente:

    a)Que és tu, para que Deus se importasse a ponto de Ele ter que provar qualquer coisa a ti?

    b) Mateus 4

    c) Soberania de Deus – Quem és tu para tentar “colocá-Lo contra a parede”?

    d) Nenhum crente jamais se prestaria ao papel, por ser definitivamente contra a compreensão de quem é o Senhor.

    7 – Novas indicações de leitura: Percebi que tenho exigido muito com os livros que tenho sugerido, tanto que imagino que não começaste a ler nenhum. Vamos começar com algo mais simples, mais de acordo com o teu nível de compreensão.

    a)Série de livros “Para Gostar de Ler”. Talvez ajude para compreensão textual.

    b)Gibis da turma da Mônica. Um clássico infantil. Depois fazes um UPGRADE para Monteiro Lobato.

    Repito: Não tenho tempo nem vontade rebater as tuas baboseiras. Tu precisas ter um nível mínimo de entendimento sobre o assunto para debatê-lo. Estude, conheça os fundamentos básicos da fé. Procure bons livros.

    Antes disso, fica muito difícil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *