Sobre a Catarina

Minha cachorra é doida. Absolutamente tan-tan.

Tá certo, é de um jeito meigo, brincalhão, meio ciumento. Mas é doida de pedra.

Comprei a Catarina em um petshop perto de casa. Passei por lá para comprar ração para um poodle que tinha na época, e que perdeu-se nas brenhas da Vila União. Quando a vi, fiquei encantado com ela. Rolou uma empatia imediata. Voltei pra casa com a minha vira-lata.

De acordo com o cara que me vendeu ela é mestiça de labrador com fila brasileiro. Herdou dos labradores um pelo preto e brilhante como de foca, e dos filas um rajado nas patas e em partes do rosto. Conta a lenda que puxou a parte negra dos Matos, e o loiro dos Pimentel… diz a lenda.

Não cresceu tanto quanto eu imaginava. Ficou com um porte médio e ágil. Incrivelmente ágil. Seus saltos, motivados por um pedaço de pão ou por um gato no muro, alcançam uma altura impressionante.

Depois de um dia em que a levamos para tomar um banho de mar, ela desenvolveu um jeito impar de se conduzir pela guia. Quando ela não que ir para um lugar, morde a ponta da guia e puxa pro outro lado.

Tem um ódio mortal ao portão do meu sogro. Basta ele abrir e começa a “latição” . A pobre da cachorra fica rouca de tanto latir indignada, e só para quando fecham o portão.

Mas o melhor dela é o jeito. Tu consegue imaginar alguém hiperativo, com o dedo na tomada, depois de beber uma coca de 2 lts, três garrafas de café e duas colheradas de pó de guaraná? Pois é. É isso aí.

Corre, brica, salta, rola, late. A vida nela é abundante. É com a sua velocidade que ela empurra o sol e impede que ele pare no meio do caminho.  É uma machiguenga*.

“Tenha ânimo!”, ela me diz com seu focinho gelado, quando estou meio estressado. “Tá tudo bem. Eu estou aqui”.

É… fica sempre tudo bem, quando deixamos a nossa vida ser cheia de vida.

*machiguenga é um povo indígena da amazônia peruana, retratados no excelente livro “O Falador” de Mario Vargas Llosa. Nesta obra, o autor afirma que este povo é nômade por acreditar que se eles parassem de andar, o sol também pararia sua caminhada diária.

 

2 thoughts on “Sobre a Catarina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *