O que sobrou do Golpe de 64?

ditadura militar-741930

Dia 31 de março completamos 50 anos do Golpe Militar que inciou um ciclo de 21 anos de ditadura. Mas, entre discurso inflamados, viúvas da ditadura, palavras de ordem estúpidas, o que restou para nós?

Sempre que ouço comentários sobre o período, os saudosistas pintam um cenário aquém da realidade.  “Queria ver no tempo dos militares, esses malandros …” e nas reticências o sentimento de ordem e paz pública, que  sufoca a verdadeira ordem, aquela em que não é necessário suprimir os direitos civis, as liberdades individuais. “Paz sem voz não é paz, é medo“*.

A ideia que se quer passar é que naquele momento histórico tudo ia bem: os pobres não eram tão pobres, as escolas não eram tão ruins, os bandidos não eram tão maus. Em que se pese que existe um senso comum que o ensino em geral tem retrocedido,  a definição mais exata deste discurso é o anacronismo**.

Por outro lado sempre que eu penso sobre luta contra Regime Militar, percebo a profundidade da sentença: “Ou você morre herói, ou vive o suficiente para se tornar o vilão”***.  Existiu uma geração engajada, que (não estou levando em consideração o mérito da questão) acreditava que podiam fazer a diferença. Eles acreditavam em mudança política, em formas de governo que beneficiariam o povo.  Porém, em sua maioria, tornaram cínicos manipuladores, usufruindo das benesses do poder, e enriquecendo ilicitamente.

genonio

Tenho nojo dos “Genoínos” e afins, que começaram na guerrilha e terminaram na quadrilha. Tenho nojo da
caricatura que se tornaram, com o punho levantado e capinha de super heróis as costas, esquecendo-se que o principal adorno do homem é a vergonha na cara, esta definitivamente sumida.

Veja bem, minha bronca não é somente com o Genoíno, é com toda a geração revolucionária da sua época****, que hoje mantém o discurso de esquerda para iludir o eleitorado, enquanto fica “em casa, guardada por Deus (sic), contando vil metal“*****. Da esquerda brasileira, nos sobrou a frase feita, a palavra de ordem,  a conversa pra boi dormir, e uma teoria social sem a menor aplicação prática. 

A consequência  é a pior possível. Estamos em meio a uma esquerda falida, uns jovens imbecis metidos a revolucionários, tipo anonymous e black bostas, ops, black blocs, e uma direita que insiste em absorver o pior do capitalismo. A ignorância social e política chega a índices “australopitéticos”.

Enfim, o que restou do Golpe de 64 foi cinismo e desilusão.  A falha em qualquer sistema político é que ele  teima em resolver o problema social, mas esquece de resolver o problema do homem.  O ser humano é mau, pecador, egoísta, portanto preso ao pecado e ao sistema mundano. Como pode este mesmo ser humano produzir uma sociedade justa e igualitária antes de ter sido transformado em sua estrutura básica?  Ora, se eu sou mau e egoísta, o que se pode esperar da minha ação em sociedade? Óbvio que irei tomar a coisa pública para benefício privado.

Talvez você pense que estou errado neste ponto, mas basta olhar a história humana. Esta perspectiva mais ampla prova a verdade do pressuposto cristão – Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus.  Por isso é necessário nascer de novo.

No fim, o que me restou do Golpe, e do posterior desenrolar da nossa história, é a esperança em Cristo. No homem e nos seus modelos, definitivamente, não dá.

 

*Trecho da canção “Minha Alma”, do Rappa

** Anacronismo é basicamente utilizar conceitos e contextos de uma determinada época em outra. Para saber mais, click AQUI.

***Frase icônica do filme Batman – o Cavaleiro das Trevas

**** Óbvio que existem exceções, e pessoas que ainda conseguem manter a integridade e o idealismo, como o meu pai, Alcir Matos. Mas são raridades.

***** Trecho adaptado da canção “Como nossos pais”, de Belchior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *