Percepções

Meus sentidos foram se abrindo. Gradualmente, sem alarido, sem esperar. Como descrever o som ao surdo? Sentindo a vibração causada por cada nota. Sentido que cada nota encontra o eco no interior do ser. A certeza do certo confirmada pela alma – escavação arqueológica do espírito.

Pulsa, bate, ecoa, ressoa.

Milagre da união de notas avulsas, metamorfoseando-se em melodia. Existe música, sons em poesia. A Voz guia os passos de quem ainda não vê. A Voz firme, cálida que pronuncia seu nome, irresistível. Estranhamente familiar, mesmo a quem nunca a ouviu antes. A Voz geradora de vida, que faz o coração bombear, que abre os nossos pulmões no primeiro dia, e o fechará no último. A percepção do infinitamente belo.

Cheiros me confundem, apontando para sabores não descortinados pelo palato. Cheiros que vão marcar a trajetória, depois serão “start” da memória. Gostos. Dias de mel, outros de ervas amargas. Gosto do amargo realça o doce.

Ainda na câmara escura. Tato. Eu sinto, logo?…
Tocar o outro, saber que a vida também está ali.
Tocar o outro, quebrar as fronteiras entre o eu e o tu.
Ser tocado, como é bom chorar acompanhado!
Tu me entendes? Sabes que existe alguém além de ti? Quero quebrar esta fronteira maldita que deixa a todos entrincheirados dentro de si.
Eu sinto, logo?… Sinto muito por sentir tanto. Sinto muito por sentirmos tão pouco.

O mundo cresce na medida em que as percepções se expandem. Posso viver sempre no quartinho escuro, fechado em mim. Ou posso abrir a porta. Mito da Caverna de dentro de nós. Tudo é mais. É maior.

Tenho que sair do quarto e ver a rua. Outros andam as tontas como eu. Outros tontos se escondem em baixo da cama. Tenho que sair. Ruas, bairros, cidades. Tenho que sair. Já não basta a rua, preciso da Lua.

Vejo vultos. Imagens imprecisas, turvas como os meus olhos. Tudo está lá, eu que não vejo. TV preta e branca, antena meio torta. Por que não ajeito? De que jeito, se não me percebo?
O mundo não é preto e branco, nem em duas dimensões. O mundo não é uma tela de pintor daltônico.

Ver.
Luz que clareia o dia.
Quero ver.
Forte como o meio dia.
Encandeado, ofuscado no primeiro instante.
Maravilhado pela aurora.

Ver.
Tudo fica claro.
Não em si, mas nele.
Não posso ver o sol, mas vejo tudo por ele.
Como pude ser tão cego!
Tão voluntariamente cego.

Ver.
Delicado como o luar
Refletindo uma outra glória,
Mais distante.
O belo, o puro, o digno.
Luar.

Ver.
Triste como o ocaso.
A morte e esperança do novo dia.
Amado como o ocaso.
Promessas do que a noite trará.

Palheta das infinitas cores
Obra de arte nunca concluída
Vida.
Cada segundo revelando novos tons
Aquarela.
Cada instante vivido, puro impressionismo.
Impressionando-nos pela beleza sem igual.

Vida Bela, aquarela.
Somos co-pintores dela.

TTTRRRIIIIIMMMMM!!!!!! O despertador toca. Acorda, vai escovar os dentes. Acorda. Abra seus olhos. O dia já começou.

(Re-postagem de um texto escrito em 2008, sobre meu processo de conversão)

Simples

Foto By Alcir Filho
Simples.
Na simplicidade Tu te revelas.
Direto, inegável, inconfundível Senhor.
Surges por trás das flores.
Num olhar carinhoso,
Na pureza do afeto.
no abraço.
De onde viria a beleza, senão de Ti?
Como eu poderia viver sem Tua vida?
Ponho meus pés na areia
contemplo o mar.
Espelho frágil do Criador.
Seu Espírito é brisa, Sua voz é muitas águas.
Simples.
Tu te afastas das pomposidades
Rejeitas o pré-formulado.
Ainda assim, fabricamos espetáculos
Mesquinhos aos teus olhos.
Para ti, basta o espírito e a verdade.
Ensina-me Senhor, o teu singelo caminho.
Quebranta a minha alma,
permita-me oferecer-te a mim.
Não tenho nada além disso.
De fato, nem tenho isso.

Convite à Doce Revolução

por Caio Fábio.

foto por Alcir Filho

Artigo 1 – Fica decretado que agora não há mais nenhuma condenação para quem está em Jesus, pois o Espírito da Vida em Cristo livra o homem de toda culpa para sempre.

Artigo 2 – Fica decretado que todos os dias da semana, inclusive os sábados e domingos, carregam consigo o amanhecer do Dia Chamado Hoje, por isso qualquer homem terá sempre mais valor que as obrigações de qualquer religião.

Artigo 3 – Fica decretado que a partir deste momento haverá videiras, e que seus vinhos podem ser bebidos; olivais, e que com seus azeites todos podem ser ungidos; mangueiras e mangas de todos os tipos, e que com elas todo homem pode se lambuzar.

Parágrafo do Momento:

Todas as flores serão de esperança, pois todas as cores, inclusive o preto, serão cores de esperança ante o olhar de quem souber apreciar. Nenhuma cor simbolizará mais o bem ou o mal, mas apenas seu próprio tom, pois o que daí passar estará sempre no olhar de quem vê.

Artigo 4 – Fica decretado que o homem não mais julgará o homem, e que cada um respeitará seu próximo como o Rio Negro respeita suas diferenças com o Solimões, visto que com ele se encontra para correrem juntos o mesmo curso até o encontro com o Mar.

Parágrafo que nada pára:

O homem dará liberdade ao homem assim como a águia dá liberdade ao seu filhote para voar.

Artigo 5 – Fica decretado que os homens estão livres, e que nunca mais nenhum homem será diferente de outro homem por causa de qualquer Causa. Todas as mordaças serão transformadas em ataduras para que sejam curadas as feridas provocadas pela tirania do silêncio. A alegria do homem será o prazer de ser quem é para Aquele que o fez, e para todo aquele a quem encontre em seu caminhar.

Artigo 6 – Fica ordenado, por mais tempo que o tempo possa medir, que todos os povos da Terra serão um só povo, e que todos trarão as oferendas da Gratidão para a Praça da Nova Jerusalém.

Artigo 7 – Pelas virtudes da Cruz fica estabelecido que mesmo o mais injusto dos homens que se arrependa de seus maus caminhos terá acesso à Arvore da Vida, por suas folhas será curado, e dela se alimentará por toda a eternidade.

Artigo 8 – Está decretado que pela força da Ressurreição nunca mais nenhum homem apresentará a Deus a culpa de outro homem, rogando com ódio as bênçãos da maldição. Pois todo escrito de dívidas que havia contra o homem foi rasgado, e assustados para sempre ficaram os acusadores da maldade.

Parágrafo único:

Cada um aprenderá a cuidar em paz de seu próprio coração.

Artigo 9 – Fica permanentemente esclarecido, com a Luz do Sol da Justiça, que somente Deus sabe o que se passa na alma de um homem. Portanto, cada consciência saiba de si mesma diante de Deus, pois para sempre todas as coisas são lícitas, e a sabedoria será sempre saber o que convém.

Artigo 10 – Fica avisado ao mundo que os únicos trajes que vestem bem o homem diante de Deus não são feitos com pano, mas com Sangue; e que os que se vestem com as Roupas do Sangue estão cobertos mesmo quando andam nus.

Parágrafo certo:

A única nudez que será castigada será a da presunção daquele que se pensa por si mesmo vestido.

Artigo 11 – Fica para sempre discernido como verdade que nada é belo sem amor, e que o olhar de quem não ama jamais enxergará qualquer beleza em nenhum lugar, nem mesmo no Paraíso ou no fundo do Mar.

Artigo 12 – Está permanentemente decretado o convívio entre todos os seres; por isso, nada é feio, nem mesmo fazer amizades com gorilas ou chamar de “minha amiga” a sucuri dos igapós. Até a “comigo-ninguém-pode” está liberta para ser somente a bela planta que é.

Parágrafo da vida:

Uma única coisa está para sempre proibida: tentar ser quem não se é.

Artigo 13 – Fica ordenado que nunca mais se oferecerá nenhuma Graça em troca de nada, e que o dinheiro perderá qualquer importância nos cultos do homem. Os gazofilácios se transformarão em baús de boas recordações, e todo dinheiro em circulação será passado com tanta leveza e bondade que a mão esquerda não ficará sabendo o que a direita fez com ele.

Artigo 14 – Fica estabelecido que todo aquele que mentir em nome de Deus vomitará suas próprias mentiras e delas se alimentará como o camelo, até que decida apenas glorificar a Deus com a verdade do coração.

Artigo 15 – Nunca mais ninguém usará a frase “Deus pensa que…”, pois, de uma vez e para sempre, está estabelecido que o homem não sabe o que Deus pensa.

Artigo 16 – Estabelecido está que a Palavra de Deus não pode ser nem comprada e nem vendida, pois cada um aprenderá que a Palavra é livre como o Vento e poderosa como o Mar.

Artigo 17 – Permite-se para sempre que onde quer que dois ou três invoquem o Nome em harmonia, nesse lugar nasça uma Catedral, mesmo que esteja coberta pelas folhas de um bananal.

Artigo 18 – Fica proibido o uso do Nome de Jesus por qualquer homem que o faça para exercer poder sobre seu próximo, e estabelecido que melhor que a insinceridade é o silêncio. Daqui para frente, nenhum homem dirá “O Senhor me falou para dizer isto a ti”, pois Deus mesmo falará à consciência de cada um. Todos os homens e mulheres que crêem serão iguais, e ninguém jamais demandará do próximo submissão, mas apenas reconhecerá o seu direito de livremente ser e amar.

Artigo 19 – Fica permitido o delírio dos profetas, e todas as utopias estão agora instituídas como a mais pura realidade.

Artigo 20 – Amém!

Li este texto do Caio no blog: Desejando Deus. Tive que reproduzi-lo aqui, por causa sua da beleza e profundidade. A Deus toda a glória. E que o nosso amém continue a ecoar, e que o Senhor escreva estas verdades nas tábuas de carne do nosso coração.

A Voz, os Pés, e o Caminho

Sabe, eu queria ter todas as respostas. Queria que o meu caminho fosse plano e reto, pontilhado pelas certezas absolutas. O mapa certo, o caminho certo, o partir e chegar nos dias certos.
Eu queria a doce ignorância de não me preocupar com coisas que nunca vou entender. Passear pelos temas difíceis, crendo que tudo se resume ao dois-mais-dois-igual-a-quatro.

Mas não sou assim.Convivo com as dúvidas e incertezas. Meu caminho é estreito, com pedras e tocos que ferem os meus passos e enterram mais fundo o espinho no meu pé. Arrasto-me pelos valados, com o peso do meu pecado arqueando as minhas costas, tal o Cristão de Bunyan. Peregrino confuso, tropeço e levanto, procuro os sinais de que estou na direção certa.

Torna-se mais difícil o caminhar por conta dos falsos mestres, que distorcem a verdade que deveria ser a lâmpada para os pés. Cegos guiando cegos, pobres, miseráveis e nus. Já lhes foi sugerido que comprassem ungüento para seus olhos, mas ver é uma experiência pouco agradável. A luz mostra o que tentamos tolamente esconder.

Sabe, eu queria ter pernas mais fortes. Quando olho para frente, para o destino, fico amedrontado com a distância. Estou muito, muito longe. Por isso, tento esquecer o chegar, e aproveitar o caminho. Os espinhos, as vezes, anunciam a existência das rosas. A dor de confrontar a minha natureza anuncia que continuo no rumo.

Os passos cadenciados, o desejo de alcançar, o próximo passo. O heroísmo é a resistência por só mais um minuto. Só mais um minuto.

No meio confuso dos meus passos trôpegos, no meu caminho estreito, nas feridas que se fecham e abrem novamente, tem uma voz que me acalma e me chama. Sabe aquela voz que você conhece antes mesmo de tê-la ouvido pela primeira vez? Pois é, essa mesmo. Ajusto-me a sua direção, mesmo com sua palavra dura, por que somente ele tem as palavras de vida eterna.

Orei


Orei. naquele instante permiti que meu espírito se abrisse novamente. As dúvidas, que sempre carrego, levei-as comigo. Minha fé destituída de dogmas, de verdades absolutas, resume-se em confiar numa pessoa – Cristo.

Portanto, ajoelharam-se ao meu lado o medo, a angústia, a incerteza. A percepção de quanto sou pecador me deixa tímido. Não sei o que dizer ao meu Senhor. Calo-me. Descanso na Sua presença.

Há muito tempo rejeitei a eloquência das orações pré-formuladas. Não tem sentido para mim a tentativa de convencer a quem me conhece tão profundamente. Deus não é platéia de um auditório lotado. Recolho-me, fecho a porta do quarto.

Na escuridão do quarto fechado, no silêncio que precede a tempestade, deságuo minha alma como palavras. Uma a uma elas saem de mim, gaguejadas, trôpegas como eu mesmo.

O Meu lamento ecoa pelo cosmo, chega até Ele. Não, chega antes de ecoar, devido sua proximidade. Sei que estará comigo, sempre. O seu Espírito habita no casebre simples, de barro prensado. Habita em mim.

Meus joelhos doem, mas fui aliviado da sobrecarga. Levanto. Ponho o pé (que continua com espinho) de volta no caminho. E continuo caminhando.

Pouco mais que nada

Não tenho vocação para super homem. E ando cansado de velhos chavões, de uma visão distorcida sobre o Cristianismo. Por isso queria dividir com outros a maneira como o vejo. Sei que é só a visão de uma pessoa, que talvez esteja longe de acertar. Mas não tenho pretensões quanto a isso. Apenas cansei da máscara.

Cristo se revela a mim quando leio os evangelhos, mato-me fariseu, e reconheço-me publicano. Tive que lutar arduamente contra a minha tendência de seguir o legalismo religioso que infestava o cenário da vinda de Jesus, e persiste até hoje. Tive que reconhecer que não podemos nos levantar sozinhos. Paralíticos na beira do tanque de Betesda, ou descendo pelo telhado da casa em que Cristo está, somos totalmente dependentes da Graça de Deus.

Cristo se revela a mim quando toca no leproso, e sinto que este toque limpa a minha pele, a minha auto-comiseração, me limpa daqueles momentos em que sentimos a rejeição mutilar a alma. Cristo se revela a mim pela profunda compaixão que ele é capaz de sentir por nós.
Cristo se revela a mim quando sou pobre de espírito. Sei que não tenho em mim nada de valor, se comparado a Ele. O que poderíamos oferecer-lhe que já não seja dele? Quando olho para cima, e vejo a sua glória, poder, amor, e em seguida olho para dentro de mim, posso sentir um breve vislumbre do Senhor. É essa desproporção que me encanta. De um lado, tudo, do outro, pouco mais que nada.

A Peça

Gosto da perspectiva do Eterno. Daquilo que dá sentido ao que não tem sentido em si. De saber que o Tempo, o bom e velho tempo, um dia há de rasgar-se ao meio e revelar o que sempre foi, e sempre será. Perceberei, então, que muitas das minhas questiúnculas foram perda de tempo. Perceberei, então que me apeguei a detalhes, que engoli o boi e engasguei com o mosquito. Os de antigamente estavam certos.

Gosto da perspectiva do Eterno. Sinto-me bem em ser apenas este lapso no tempo, com início-meio-fim tão próximos que se confundem os limites. De saber que o mundo não gira em torno de mim (será?). E no Eterno conhecerei a minha alma, fugidia de mim, fora do meu alcance, sempre. No Eterno os sonhos serão refeitos, poderei senti-la como não sinto agora. Caiu a máscara, fecharam-se as cortinas e o Autor anda no palco. Não serei mais ator, serei eu, finalmente eu, eu e a minha alma, talvez juntos pela primeira vez.

Amo a idéia de Eterno. Do que é, e não pode deixar de ser.

Quem és tu, minha alma?
Fora de mim, dos limites do meu corpo.

Quem és tu, minha alma?
Que pulsa em mim,
Aponta norte,
Movimenta-me sempre.
Biocombustível não patenteado.

Tão inteiramente ligada a mim,
Tão distante.
Somos um,
Quero que sejamos um.
Mas apenas quero.

Quem somos, minha alma?
Depende do dia a resposta.
Todavia, toda via me leva a mim.
A peça já teve 28 atos.
E ainda falta muito para acabar.

(reflexões aos 28 anos, sobre eles.)